Street Dance (Hip Hop)

O termo Street Dance (ou Dança de Rua) é utilizado para denominar um conjunto de danças da cultura Hip Hop, como o Breaking, o Locking, Popping, Bboying entre outros. Resultado da manifestação da cultura urbana de rua, tem conquistado grande espaço nas escolas de Dança, na propaganda e na mídia como um todo. 

Esta modalidade tem em sua essência o pulsar da arte popular, dialogando diretamente com as pessoas. Utilizando-se de diversos gêneros musicais populares, tornou-se uma vertente muito democrática, pois seus praticantes buscam sempre um estilo próprio, fazendo uso da liberdade criativa que é a essência da modalidade.

Hoje em dia o Street Dance é muito presente em filmes, televisão, clipes, propagandas e até mesmo em musicais da Broadway.

Autor: Andre Gama

Ballet Clássico

O Ballet Clássico é a modalidade acadêmica mais antiga de Dança ainda em atividade. É uma técnica que começou a ser codifica no seculo XVI, e seu conhecimento vem sendo aprimorado e renovado dia após dia.

A Dança Clássica propõe alcançar  a qualidade máxima do movimento do corpo humano, através de técnicas que desenvolvem todos os aspectos que formam um ser humano. 

O Ballet Clássico reúne movimentos de força, suavidade, de explosão muscular, isometria, assim como a concentração, disciplina, trabalho em equipe, confiança, autoconhecimento, controle mental, proporcionando o desenvolvimento de competências fundamentais para a vida em sociedade. 

O Ballet Clássico contém em sua prática todas as qualidades e requisitos para o desenvolvimento motor, cognitivo, emocional e holístico. Mais além de uma atividade, o Ballet Clássico atua diretamente na construção e transformação do indivíduo, de seus hábitos, de sua personalidade, potencializando suas qualidades e desenvolvendo suas deficiências, buscando o equilíbrio em todas as áreas, tornando-se assim, um estilo de vida.

Autor: Andre Matos da Gama

Dança Contemporânea

A Dança Contemporânea não é propriamente uma modalidade de aula, mas um conceito. Ela caracteriza-se, antes de tudo, pelo pensamento que a concebe, com a premissa de expressar e dialogar os anseios e as questões da sociedade na atualidade. Não obstante, antecipa-se a essas tendências, criando, muitas vezes, trabalhos de vanguarda.

Este conceito de Dança Contemporânea utiliza-se de diversas técnicas e métodos para instrumentar os corpos dos bailarinos e, a partir daí, construir o seu discurso. Essas técnicas são frutos de apuradas observações do corpo humano, da sua relação com o espaço físico e o tempo. Também, são resultados de pesquisas práticas, com a investigação e experimentação de parâmetros concretos dentro da relação corpo/tempo/espaço. Outras vertentes artísticas também servem como fonte de conhecimento para a Dança Contemporânea, que muitas vezes se utiliza de técnicas teatrais, circenses, e muitas outras modalidades, aplicando esses princípios ao desenvolvimento da sua movimentação.

A Dança Contemporânea também provoca a análise instrospectiva, e através dela, o desenvolvimento do indivíduo, estimulando o contato e o trato com as questões mais intrínsecas do ser humano, e as elucidando através do dialogo do corpo com a música e o espaço, externando as emoções e sentimentos.

 

Autor: Andre Gama

Gislaine Costa

Profa. Gislaine Costa

Gislaine Costa iniciou seus estudos de ballet aos 4 anos de idade na Academia Adriana Cavalheiro onde teve a oportunidade de conhecer vários estilos de danças com professores maravilhosos (ballet, jazz, flamenco e sapateado) e também, ginástica rítmica. Aprofundou a técnica clássica na Escola Municipal de Bailados de São Paulo de 1994 a 1999 e no Estúdio de Ballet Cisne Negro de 2000 a 2011, ministrados por grandes mestres e professores. Dançou diversos repertórios como O Lago dos Cisnes, A Viúva Alegre, A Bela Adormecida, La Fille Mal Gardée, Sonho de uma Noite de Verão, O Quebra-Nozes, entre outras adaptações. Foi integrante do grupo de dança Cisne Negro II de 2001 a 2003, sob direção de Betsy Lobato.

Graduou na Faculdade de Educação da Royal Academy of Dance no curso CBTS (Certificate in Ballet Teaching Studies) em 2009, realizando anualmente cursos de atualizações. Atuou como professora de ballet clássico desenvolvendo e aplicando o método RAD no Estúdio de Ballet Cisne Negro de 2005 a 2011, e na Lucianne Murta Escola de Ballet de 2007 a 2011. E, atuou como professora de ballet infantil na Oficina Corpo e Arte (OCA) de 2012 a 2013.

Em 2012, especializou em Dança e Consciência Corporal (Pos-Graduação-FMU) e iniciou o projeto Brilho Ballet (ativo) para atender as atividades extracurriculares em escolas particulares. Atualmente ministra aulas de ballet em escolas de Educação Infantil, Ensino Fundamental e academias, e também na Oficina Corpo e Arte (OCA).

Jazz Dance

O Jazz Dance é uma dança que nasceu nas ruas de New Orleans no inicio do século XX, e que foi evoluindo através dos tempos, haja vista que é uma linguagem que expressa os sentimentos, comportamentos e anseios da sociedade. 

O Jazz Dance tem sua base técnica no Ballet Clássico, porém com sua própria identidade e liberdade, fazendo uso de movimentos marcados pelo isolamento de membros, quadris, posturas assimétricas, e tantos outros movimentos quanto a imaginação permita. Possui uma atitude característica, um tonus, uma forma de movimentação inconfundível. 

O Jazz Dance tem seu maior expoente o Teatro Musical, com suas coreografias diversas, que atuam como parte da historia a ser contada. Também é possível ver sua forte presença em shows e videoclipes. 

Autor: Andre Gama

Lidia Gasque

Lídia Gasque iniciou as aulas de ballet clássico aos 6 anos de idade na Academia Art Dance Ballet em Americana-SP, onde se formou com a professora Erica Janotti.
Em 2013 começou a dar assistência nas aulas de ballet infantil na ONG Paz e Liberdade em Americana-SP, tornando-se professora e em 2016 diretora artística.
Em 2015 entrou para o grupo de competição da academia Iris Ativa Lina Penteado em Campinas-SP. Teve como mestres Luciana Checchia, Liliana Testa e Ronaldo Coco.
Em 2016, passou a fazer aulas com Eliane Constancio Kara e Pedro Kara, melhorarando sua técnica e conhecimento no balé clássico. No mesmo ano ingressou na CEDAN – Companhia Estável de Dança de Piracicaba, com Camilla Pupa como professora e diretora, onde foi convidada a participar do espetáculo “La Danza dei Fili” com direção artística da italiana Alessandra Silva de Simone e adaptação de Marcela Zia.
Em 2018 mudou-se para São Paulo para buscar novas experiências e crescimento profissional, dançou para a Especial Academia de Ballet onde teve como mestre Guivalde de Almeida, Jurandir Rodrigues, Danila Bezerra entre outros grandes nomes.
Seguiu ministrando aulas de baby class, ballet infantil, alongamento, ballet funcional e jazz em escolas infantis e nas academias de dança. Trabalhou na Escola Jurandir Rodrigues e Guivalde de Almeida, Espaço Maktub e Núcleo Arte e Saúde – Ballet Carolina Eimantas, onde continua lecionando até o momento.
Se aperfeiçoou no jazz com Gabriel Malo e Erica Rossati, e na dança contemporânea com Ariany Damaso e outros mestres.
Em 2019 ministrou aulas na Zelensky Balett. Também na Sala Erica Rossati e OCA – Oficina Corpo e Arte onde continua atualmente.

Thiago Alves

Bailarino profissional , professor de dança e coreógrafo.

Thiago começou a dançar com 10 anos de idade , aos seus 18 anos entrou na escola Centro de Artes Ivanckovish onde estudou jazz, Ballet, Dança contemporânea, Afro e Teatro Musical.
Começou sua carreira artística já viajando internacionalmente dando aulas e fazendo shows na argentina. No Brasil começou a dançar no SBT , Globo , Recod e Rede TV, passando por diversos programas de televisão, fez parte do corpo de baile da cantora Claudia Leitte e muitos outros artistas renomados do Brasil.
Hoje com 13 anos de experiência artística ele continua atuando como bailarino dançando com artistas , fazendo televisão, comerciais de TV e aprimorando seus conhecimentos no mundo da arte e da dança .

Damabiah Lana

Damabiah Lana começou dançando na escola fundamental aos 2 anos de idade, fazendo natação e ballet ao mesmo tempo. Logo depois, com 7 anos entrou na Escola de Dança de São Paulo, atualmente Fundação Teatro Municipal de São Paulo e formou-se em 2016 com 16 anos. Foi convidada para trabalhar e dançar com a Ariany Dâmaso (Bailarina do Balé da Cidade de São Paulo) em uma escola de contemporâneo, seguindo para a Fábrica de Cultura do Parque Belém, dançando contemporâneo. Continuando a linha de trabalho fui convidada a trabalhar na escola Jurandir Rodrigues & Guivalde de Almeida em 2017/2018, e atualmente na Oficina Corpo e Arte.

Roberta Ramos

Roberta Ramos Vital Inicia seus estudos de Ballet Clássico em 2008, na Escola de Dança do Theatro Municipal de São Paulo, onde concluiu sua formação pautada no Ballet Clássico e na Dança Contemporânea e Moderna; contando ainda com aulas de condicionamento físico, danças folclóricas, entre outros.
Em 2017 inicia sua experiência profissional no Ballet Stagium, onde teve a chance de trabalhar com Marika Gidali, e de dançar as obras de Décio Otero. Na mesma época passa a integrar a Companhia Jovem da Escola de Dança do Theatro Municipal de Sp, sob a direção de Priscilla Yokoi, por onde permaneceu por 3 anos aprimorando-se artisticamente.
Em sua carreira ela foi convidada para o papel da Fada Açucarada no Quebra-Nozes de 2017 no Theatro Municipal; também participo dos 40 anos de Kuarup ou A Questão do Índio, com a Cia Stagium, e realizou a ópera Amor Brujo, com a Cia espanhola Fura cel Baus. Em 2017 Roberta passa a dar aulas de Ballet e jazz na Oficina Corpo e Arte; ministrando aulas como convidada em outras escolas e workshops. como convidada em outras e